quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

Linux como alternativa de sistema operacional para desktops

Feliz ano novo para todos. Depois de algum tempo sem postar nada, decidi postar aqui a minha monografia que foi justamente o motivo desta ausência de posts durante esses meses. Como o título deste post sugere, a monografia foi desenvolvida com o objetivo de demostrar que o Linux pode ser utilizado como um sistema para desktop, procurando focar o usuário comum que na maioria das vezes já utilizou o Windows. Prefiro deixar aqui a introdução para que as pessoas tenham o interesse de baixá-la na íntegra.

Introdução

Há algumas décadas, os computadores possuíam características muitas limitadas como baixa capacidade de memória, processamento, etc. Como tinham poucos recursos, era necessário programadores que realmente conhecessem a fundo suas características, para extrair o máximo de desempenho, confiabilidade e capacidade de armazenamento da máquina. Foi em meio a esse cenário que um pesquisador da Bell Labs chamado Ken Thompson iniciou o desenvolvimento do sistema operacional Unix que passou a ser proprietário da AT&T. Um sistema operacional, nada mais é do que um conjunto de programas que gerenciam os recursos básicos de um computador. Ele é responsável por controlar a parte física do computador fazendo a interface entre o usuário e os programas. Ken Thompson criou um sistema operacional rápido, seguro, eficiente, multitarefa e multiusuário, mas da mesmo forma que os programadores da sua época, não se preocupou em criar mecanismos que facilitassem a utilização do sistema por usuários “leigos”. Na verdade, naquela época talvez nem existissem tais usuários, pois computadores eram utilizados apenas por grandes empresas e nos meios científicos e acadêmicos.
Com a chegada dos microcomputadores por volta de 1981 e a sua utilização por usuários considerados “leigos”, surgiu a necessidade de desenvolver sistemas mais amigáveis que facilitassem a utilização do sistema. O MS-DOS da Microsoft trouxe estas características, mas deixou de lado a robustez, a eficiência e a capacidade de ser multitarefa e multiusuário como o Unix. Foi quando em 1990, um jovem estudante finlandês chamado Linus Torvalds baseando-se no clone do Minix que por sua vez era quase um clone do Unix, desenvolveu o kernel Linux juntamente com várias pessoas ao redor do mundo que o ajudaram a incluir suporte ao hardware, aos programas auxiliares, às interfaces gráficas, etc, para que tudo funcionasse sem problemas.
Dentro deste contexto, este trabalho objetiva demonstrar que o Linux é uma alternativa de sistema operacional para a realização de tarefas básicas em relação ao sistema operacional Microsoft Windows e que, apesar de o usuário não ter que pagar pelo uso do sistema, não significa que ele e seus aplicativos não contemplem as mesmas tarefas realizadas no sistema operacional Microsoft Windows ou que tenham menor eficiência na realização destas tarefas. Pretende-se quebrar um mito de que Linux é difícil de utilizar, que foi feito para geeks e não para usuários comuns. Para tanto, são apresentadas características de quatro distribuições Linux voltadas para desktops na qual encontra-se uma tabela de informações sobre a instalação, remoção e atualização de programas e uma outra tabela com vários aplicativos equivalentes e similares entre os dois sistemas. Além disso, o anexo inclui um tutorial passo-a-passo que demostra como configurar e utilizar alguns aplicativos básicos. Por fim, foi desenvolvido um shell script que automatiza a instalação e configuração de alguns aplicativos básicos para uma distribuição Linux. Este shell script apresenta uma lista de aplicativos básicos, uma breve descrição de cada aplicativo e seu similar ou equivalente na plataforma Microsoft Windows. Ele foi desenvolvido para a distribuição Ubuntu versão Intrepid Ibex, mas nada impede que ele possa ser modificado para funcionar em outras distribuições. Os aplicativos já estão contidos num CD juntamente com o shell script para que a instalação dos aplicativos ocorra sem a necessidade de uma conexão do tipo banda larga, evitando a demora e a frustração para quem utiliza uma conexão comum para baixá-los.
Assim, no capítulo 1, será explicada a evolução histórica do Linux abordando a história do sistema operacional Unix da qual o Linux foi originado.
No capítulo 2, serão apontados os motivos que fazem do Linux um sistema operacional que também pode ser utilizado em desktops com a mesma eficiência e às vezes melhor do que o sistema Microsoft Windows.
No capítulo 3, serão apresentadas as características de distribuições populares voltada para usuários de desktops e também uma lista de aplicativos equivalentes ou similares ao Windows disponíveis para Linux.
No capítulo 4, será demostrado como foi de desenvolvido o shell script.
No capítulo 5, serão demonstrados os resultados obtidos através da avaliação dos próprios usuários.

Graças a Deus fui aprovado. No final senti uma satisfação imensa em desenvolver este trabalho pois sou apaixonado pelo sistema. Abaixo está o link para download e feliz 2009 para todos.

http://www.4shared.com/file/78327300/b156225/Linux_Como_Alternativa_De_Sistema_Operacional_Para_Desktops.html

4 comentários:

Rafael disse...

Gostei da iniciativa

Elder Marco disse...

Muito boa iniciativa. Não sei se irei concordar com ela, mas gostei de saber que fez um estudo sobre isso.

Vou baixar e ler. :-)

Rafael Gomes disse...

Eu gostei da iniciativa, mas cometeu um erro comum.
Posso parecer uma radical, mas o nome do sistema que é utilizando nas distribuições é GNU/Linux. O Linux é somente o kernel.
Tenho certeza que você já sabia isso, mas somente comenteu um erro comum. :D

No mais vou ler o documento com mais calma. Já percebi que não foi tocado no assunto mais interessante do Gnu/Linux. A sua parte mais filosófica, mas mesmo assim parece ser interessante! :D

Até mais...

jeffersonjbj disse...

Concordo Rafael Gomes, se Stalman ler isso ficará mais uma vez indignado rsrsrs. Também acho que faltou falar um pouco mais sobre a liberdade que o software livre promove, mas quem sabe numa outra oportunidade. Obrigado a todos leitores e usuários com os quais estarei sempre aberto às críticas e sugestões.